RELACIONAMENTOS POSITIVOS NA FAMÍLIA E NA ESCOLA

O ser humano está sempre buscando coisas e situações que lhe tragam mais satisfação com a vida e que lhe tragam a tal felicidade que tanto se fala. Pense agora em momentos lindos e felizes em sua vida. Com certeza existe alguém junto com você nestes momentos. Em verdade, a ciência já sabe que o que mais gratifica o ser humano, o que traz mais felicidade, são os nossos bons relacionamentos, o afeto dado e recebido. Os afetos preenchem nossa vida, e a relação entre pais e filhos é a engrenagem principal para o desenvolvimento de uma criança e um adolescente. Sendo criados com afeto e educação positiva chega-se a um adulto que sabe interagir nesse mundo – nem sempre fácil – e consegue maneiras de encontrar o seu próprio caminho e florescer.

A família é uma das instituições sociais mais antigas e resilientes. As estruturas familiares variam ao redor do mundo, mas o modelo “família” perdura desde os nossos longínquos ancestrais até hoje. A família, que pode ser de diferentes formatos, tamanhos e cores, é um fator essencial porque é ela que desde o início precisa providenciar suporte e construir os princípios de um bebê que requer um desenvolvimento saudável para saber viver nesse mundo. Tantas pesquisas nos revelam com clareza gritante que a família é o afeto principal na vida de uma criança. É quando a criança aprende o que é ser amado de modo incondicional, apesar de seus erros.

Nós carregamos os aprendizados que tivemos com a nossa família durante toda a nossa vida. Pais sempre serão pais até o fim de suas vidas, mas os filhos não são sua propriedade. Devemos lembrar sempre que os filhos devem ser socializados para a vida. A família é fundamental em muitos sentidos. A família define o modelo de futuros relacionamentos, traz conforto em tempos difíceis, ensina valores, é uma fonte de afeto e encorajamento e traz um fundamental senso de pertencimento e de conexão. Pessoas criadas em famílias próximas e afetuosas desenvolvem relacionamentos saudáveis em suas vidas futuras, favorecendo inclusive a sua saúde mental.

Os tempos trazem novos desafios e condições atuais indicadas pela ciência. Atualmente não basta repetir o que nossos pais fizeram. Os tempos mudam e trazem desafios tão intensos e acelerados que é preciso se preparar verdadeiramente para ser mãe e pai e, depois, para ajudar o seu filho a interagir no ambiente escolar, que também passa por mudanças. Muitas escolas adotaram o ensino remoto há mais de um ano e podemos promover uma resposta resiliente à pandemia fortalecendo as práticas de cuidado que conectam crianças, famílias, escolas e comunidades.

Ninguém sabe como o distanciamento social exigido pela pandemia da COVID-19 afetará as crianças e adolescentes que hoje estão crescendo, mas é provável que o declínio nas interações com seus colegas e professores terá algum tipo de impacto. Ações voltadas para a melhoria do bem-estar emocional e social das crianças deve ser priorizado durante e após a pandemia, pois as crianças, famílias e professores precisam se sentir seguros e apoiados nas transições críticas que estão por vir.

Para acelerar o processo de mudança e resposta, escolas e famílias podem investir em soluções baseadas em evidências, como o Programa de Qualidade de Interação Familiar – PQIF (bit.ly/pqiflidia) para Facilitadores que desejam atuar com pais e o Programa DIGA (www.programadiga.com.br). O PQIF foi pensado para fortalecer famílias oferecendo um curso estruturado para ajudar pais a adotar práticas positivas para educar seus filhos. O Programa DIGA, por sua vez, é uma solução de educação socioemocional em escolas, oferecendo ferramentas acessíveis para envolver toda a escola, além da família e da comunidade, no processo de melhoria da convivência.

Para compartilhar dicas práticas sobre o desenvolvimento positivo na família e na escola, acabamos de lançar dois livros que reúne perspectivas contemporâneas e interdisciplinares sobre a promoção de relacionamentos positivos. Partindo da perspectiva de que os relacionamentos positivos são uma prioridade para garantir uma vida plena e próspera, autores do Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Portugal compartilham contribuições teóricas e práticas fundamentadas em pesquisas recentes sobre como todos podemos contribuir para a melhoria dos relacionamentos na família e na escola.

A felicidade e a esperança em um futuro melhor podem ser nutridas com ações práticas e cotidianas. Este é um momento para repensar as prioridades na educação e como podemos nutrir na família e na escola relacionamentos positivos, que combinam afeto e suporte à estrutura e organização que contribuem para o desenvolvimento positivo de crianças.

REFERÊNCIAS:

Weber, L.N.D. & Cunha, J. (Orgs.) (2020). Relacionamentos Positivos na Família. Curitiba: Juruá.

Profa. Dra. Lidia Weber e Profa. Dr. Josafá da Cunha – Professores do Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná – lidiaw@uol.com.br e josafas@ufpr.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*