DESENVOLVIMENTO DOS 15 A 17 ANOS

Este é um período de insegurança e incompreensão para pais e filhos. O adolescente questiona, desafia a autoridade, se revela, transgride normas e valores que os pais consideram importantes. “Os pais e professores necessitam compreender a adolescência como um tempo de mudanças significantes e de riscos.” Precisamos “escutar” o adolescente, manter laços de confiança para que tenha um desenvolvimento positivo na transição para a fase adulta.

Inteligência

É um dinamismo que leva o homem a conhecer o despertar para uma nova forma de percepção de realidade. O adolescente começa a formar seus próprios julgamentos, apontando incoerências dos pais. Na infância, os valores dos pais são seus valores. Agora, já julga o que é bom ou mau, certo ou errado, mas nem sempre é capaz de agir com correção, por não sentir o poder de sua vontade. Segue seus pares por impulsos e para não ser vaiado. Tem muita imaginação e tem crises religiosas nesta fase. Como diz Isaak Mielnik “é preciso sonhar grande e a longo prazo.”

Caráter

Através da convivência afetuosa na infância e na pré-adolescência ele tem condições de seguir sua evolução e estruturar sua personalidade. Em torno dos 17 a 18 anos, a sua escala de valores está mais definida e assume a capacidade de autocontrole. (Hoje, esta fase pode prolongar-se até os 23/24 anos). No caminho para a maturidade emocional, social e sexual, percebe que os valores e a forma de vida de sua família não são os únicos possíveis, desloca-se para os melhores amigos(as) e namorados(as) e passa a ver que existe um mundo além de suas fronteiras familiares. Agora emergem outros conceitos e valores sociais, culturais e familiares que trazem conflitos na vida do adolescente e ocorre um processo de amadurecimento intenso. É o momento que eles precisam ter capacidade de avaliação para perceber os resultados dos comportamentos, atitudes, iniciativas, conforme os valores que cada família cultiva. É a oportunidade de reflexão e/ou “troca de experiência” em família.

 

REFERÊNCIAS

Fonte: Manual da Escola de Pais do Brasil

Dolma Magnani de Oliveira – Associada da EPB Seccional da Grande Florianópolis

Publicado na Revista Escola de Pais do Brasil – Seccional da Grande Florianópolis nº 9, dezembro de 2019, p. 23.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*