DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA

Mariana, 16 anos, passa horas e horas deitada em seu quarto; luzes apagadas, incenso queimando e músicas tristes dominam o ambiente. Este poderia ser um simples comportamento desta “fase adolescente”, mas quando observamos mais atentamente, percebemos que este seu comportamento é muito frequente. Além do mais, ela não aceita os poucos convites para sair com os amigos, está tirando notas muito baixas na escola, tem brigas constantes com todos os membros de sua família e dificuldade para dormir. Ela mesma não consegue entender o que se passa e se pergunta: “Será que isso é só uma fase?” “Eu me sinto doente mas não sei o que fazer nem com quem falar”. Seus pais recriminam o seu comportamento e fazem comentários que em nada ajudam, e ao contrário, abalam ainda mais a sua autoestima e autoconfiança: “Sai desse quarto menina e vá respirar ar puro!”; “Com a sua idade eu já trabalhava e você não faz nada e ainda vai mal na escola”; “Você não gosta de nada nem de ninguém mesmo. Nem sei quem você puxou!”; “Você está uma ‘aborrecente’, levante esse ânimo, você nem tem idade para ficar triste”.

A depressão não é somente uma tristeza. A tristeza é comum e passa. Quem está com depressão sente tristeza e desespero extremos  por, no mínimo, algumas semanas. Depressão é o nome que é dado a certos estados de sofrimento psíquico que podem causar transtornos no comportamento, na afetividade e nos relacionamentos sociais e familiares. Pessoas com depressão podem sentir falta de prazer e de interesse nas atividades diárias, ganhar ou perder peso rapidamente, ter insônia ou dormir excessivamente, falta de energia e de concentração, sentimento de culpa e pensamentos sobre morte. A depressão é uma combinação de fatores genéticos, químicos, biológicos, sociais e ambientais que contribuem para este transtorno. A boa notícia é que ela pode ser tratada com sucesso por profissionais especializados em saúde mental, como psiquiatras e psicólogos. Não basta apenas ter “força de vontade”, é preciso um tratamento de qualidade, pois tende a se agravar com o tempo se não for tratada.

A depressão é sempre um problema difícil para se enfrentar e pode tornar-se ainda mais assustador quando ocorre na adolescência, uma fase da vida por si só repleta de mudanças e de estresse. Na maioria das vezes os adolescentes não conseguem entender o turbilhão de sentimentos que afloram e nem mesmo conversar sobre a sua depressão por não encontrarem um interlocutor que os compreenda. Diferentemente dos adultos que podem procurar ajuda por si mesmos, os adolescentes dependem de seus pais, professores ou outros cuidadores para reconhecer que estão em sofrimento e precisam de ajuda. Existe ainda um subtipo da depressão chamada “distimia” (do grego, significa mau humor), a qual caracteriza-se por uma irritabilidade crônica, ou seja, a pessoa passa a maior parte do tempo todo fazendo comentários hostis e mal humorados. É uma depressão mais moderada e crônica que geralmente tem o seu início na adolescência.

As dificuldades acadêmicas, problemas de relacionamento com colegas, aumento da irritabilidade e agressão, comportamento descuidado, verbalizações sobre morte e tentativas de suicídio podem estar associadas com a depressão em adolescentes. Depressão em adolescentes é o maior fator de risco para suicídio, sendo considerada a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil. Pesquisas recentes também revelam que pais que são, ao mesmo tempo, extremamente exigentes e pouco afetuosos e aqueles que simultaneamente são pouco exigentes e pouco afetuosos podem estar relacionados com sinais de depressão em crianças e adolescentes. São necessários mais programas preventivos que auxiliem as famílias nessa complexa e maravilhosa tarefa de educar e socializar um filho.

Os chamados transtornos de humor, nos quais está incluída a depressão, fazem parte de um dos grupos de doenças com menor chance de serem diagnosticadas em crianças e adolescentes: eles têm dificuldades para expressar o que sentem, os sintomas são diferentes em adultos e jovens e a maioria das pessoas, e muitos profissionais, pensam que a depressão é uma doença de adultos. Os dados mostram que 7 a 14% das crianças experienciaram um episódio depressivo sério antes de 15 anos e 20 a 30% de pacientes adultos relataram que seu primeiro episódio depressivo aconteceu antes dos 20 anos. A depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo e ter tido um episódio depressivo na adolescência aumenta o risco de transtornos  na saúde mental na idade adulta. Precisamos intervenções preventivas fortes. Capacitar famílias para que sejam mais envolvidas e participativas, para que utilizem estratégias educativas onde haja equilíbrio entre afeto e limites, autocontrole, ausência de práticas coercitivas, e assim, propiciem regulação emocional e resiliência aos filhos. Capacitar escolas e professores para promover habilidades socioemocionais também no ambiente educacional, como já ocorre em alguns países do primeiro mundo que investem em inúmeros programas de prevenção às adversidades precoces na família.

Vale a pena entender o adolescente e prestar atenção em seu comportamento, além de lembrar que a orientação, supervisão, diálogo e afeto são essenciais.

Mitos e Realidade acerca da depressão em jovens

  • MITO: Adolescentes não têm depressão de verdade.
  • REALIDADE: A depressão pode afetar pessoas de qualquer idade, raça ou classe socioeconômica.
  • MITO:  Adolescentes que alegam estar deprimidos são fracos e precisam apenas de força de vontade.
  • REALIDADE: A depressão não é uma fraqueza e sim um grave problema de saúde.
  • MITO: Falar sobre depressão apenas piora o problema.
  • REALIDADE: Falar sobre o que sente pode ajudar um amigo a reconhecer a necessidade de ajuda profissional.
  • MITO: Pessoas, inclusive adolescentes, que falam sobre suicídio não se suicidam.
  • REALIDADE: Muitas pessoas que se suicidaram já haviam dado “avisos” a esse respeito para amigos e família.
  • MITO: Contar para um adulto que o amigo pode estar deprimido é trair sua confiança. Se ele quisesse ajuda, ele procuraria.
  • REALIDADE: A depressão destrói a autoestima e interfere na capacidade ou vontade da pessoa pedir ajuda.

Identifique os Sintomas da Depressão na Adolescência

  • Tristeza ou sensação de vazio
  • Pessimismo ou culpa, falta de esperança
  • Desamparo ou inutilidade
  • Incapacidade de tomar decisões
  • Concentração e memorização reduzidas
  • Falta de interesse ou prazer por atividades normais como esportes, música ou conversa pelo telefone
  • Problemas na escola e com a família
  • Perda de energia e motivação
  • Dificuldade para pegar no sono, dormir bem ou se levantar de manhã
  • Problemas de apetite: emagrecimento ou ganho de peso
  • Dor de cabeça, dor de estômago ou dor nas costas
  • Inquietação e irritabilidade
  • Desejo de ficar sozinho a maior parte do tempo
  • Falta às aulas ou abandono de hobbies e outras atividades
  • Abuso de bebidas alcoólicas ou drogas
  • Conversas sobre morte
  • Conversas sobre suicídio (ou tentativas)

Se você identificar vários desses itens em seu filho, em um amigo ou em você mesmo, pode ser um quadro depressivo. Antes de qualquer decisão, procure ajuda profissional (psiquiatra, psicólogo ou médico da família), pois a avaliação e o diagnóstico são essenciais para o tratamento e a recuperação. Estar perto e cuidar daqueles a quem amamos é primordial.

Publicado na Revista Escola de Pais do Brasil – Seccional da Grande Florianópolis nr 7 – out 2017, p. 26.

Marcus Vinicius Keche Weber – Médico (CRM-PR 10226), Especialista em Psiquiatria e Psicoterapia pela USP – marcusw@uol.com.br
Lidia Natalia Dobrianskyj Weber – Psicóloga (CRP 08/0774), Professora e pesquisadora da UFPR, Doutora em Psicologia pela USP – lidiaw@uol.com.br

Share and Enjoy

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*